VI Encontro Ampliado da Rede Ecovida

não prioriza a vida e sim o mercado. O ser humano submetido e apático a este sistema já contribuiu e muito com a devastação do Planeta Terra, quando por exemplo não pensa com responsabilidade no consumo, na natureza e no outro disse Boff. Por outro lado reafirmou a importância das experiências e organizações coletivas que surgem em contraposição a organização capitalista. São vocês que hoje reúnem-se aqui para debater e refletir sobre suas práticas e o mundo é que podem gerar um novo modo de vida, um novo modo de pensar, um novo povo..., falou Leonardo Boff. Ainda defendeu importância das mulheres na defesa da vida. A Terra é um organismo vivo que hoje está em desequilíbrio e é a mulher o ser humano mais próximo da vida que tem condições de contribuir neste reequilíbrio. Socialismo como resistência e luta contra a auto-destruição da terra Em defesa de um outro mundo, Plínio de Arruda Sampaio conclamou aos presentes que o socialismo seja estudando, pensado e refletivo nos coletivos, como única alternativa possível de mudança dos rumos da vida dos homens e mulheres. Para que a agricultura ecológica,que é a vida seja instrumento de luta contra o agronegócio, que é a força da morte, precisamos nos planejar e preparar o socialismo, afirmou Plínio. O Capitalismo produz como a sua insensibilidade com a vida humana tantas vítimas que poderá levar o Planeta Terra a sua auto destruição. Para Plínio, o Governo atual que elegemos com a força soberana do povo tem se msotrado cada vem mais fraco na luta contra os inimigos, que hoje estão vencendo e defendendo o mercado, o consumismo, o lucro em cima da força do trabalhador. Ao final conclamou que a resistência se faça. Toda vez que o povo brasileiro foi para as ruas defender seus direitos, sua vida melhorou. Toda vez que ele ficou em casa,tomaram a vida dele. Dom Ladislau também presente na abertura, defendeu a agroecologia como única forma de luta pela vida, pela saúde, pela natureza e sobrevivência da Terra. Tudo isso é o sonho de Deus que hoje corre o risco de morrer. Mas lutadores como vocês são fundamentais para que isso não aconteça, disse. Lembrou ainda que a grande imprensa tem desvirtuado a realidade da luta pela terra. A mídia sempre afirma que os conflitos urbanos são culpa dos sem terra, mas temos que cada vez mais deixar claro que a luta pela terra ainda existe porque nunca até hoje se pensou seriamente da Reforma Agrária. Enquanto não existir reforma agrária, estaremos na luta pela terra, pela produção agroecológica e soberania alimentar. Representantes do governo estadual e federal também estiveram presentes na abertura do encontro e estarão participando dos seminários na quarta feira à tarde.O Secretário Estadual da Agricultura, Valter Bianchini juntou-se aos debatedores para dar as boas vindas aos participantes, comprometendo com em levar as propostas ao governo estadual.

 

Assessoria de Imprensa 6° Encontro Rede Ecovida - Ana Carolina Caldas

Cerca de 1200 agricultores vindos de toda a região Sul do país participam desde terça feira, 17, do 6° Encontro da Rede Ecovida, no Parque de Exposições da Lapa. Com a presença do teólogo Leonardo Boff e do professor de direito, ex deputado e militante dos direitos humanos Plínio Arruda Sampaio, a abertura teve como principal objetivo reforçar a identidade e os ideais, trazendo para o

centro deste encontro as ações concretas de promoção de uma nova agricultura, voltada para a defesa da vida. Leonardo Boff iniciou sua fala com a exibição do vídeo sobre a CARTA DA TERRA, que alerta sobre o período crítico pelo qual passa a humanidade e a necessidade de um pacto de cuidado com a terra.  O sistema econômico capitalista que regula nossa vida

Associação dos Colonos Ecologistas do Vale Mampituba